Pesquisa: Rádio continua como meio preferido para ouvir música

radio

Os serviços de streaming de música Deezer, Google Play Music, Napster, Rdo e Spotify encomendaram uma pesquisa junto ao instituto de pesquisa online Opinion Box para saber da população qual o meio é o preferido para ouvir músicas.

O levantamento apontou que o rádio segue soberano na preferência dos ouvintes, sendo a principal opção para mais de 76% dos participantes da pesquisa. Apesar de novo, os serviços de streaming já respondem por 28,2% dos pesquisados.

O Opinion Box realizou a enquete inédita no mercado brasileiro. Foram ouvidas 1.112 pessoas acima de 18 anos e de todos os estados brasileiros (690 homens e 503 mulheres). O principal dado divulgado é que entre os usuários de streaming, a pirataria de música é 31% menor em relação a quem não usa os serviços.

O levantamento apontou que o rádio ainda é o meio preferido pela maioria das pessoas para ouvir música (76,4%), seguido das plataformas de vídeo online (73,7%), MP3 (72,8%), CD (60,1%), televisão (48,2%), streaming (28,2%) e vinil (8,2%). Apesar de estar na lanterna, o streaming, que chegou recentemente ao mercado brasileiro, está se tornando mais conhecido; 56,5% dos entrevistados disseram conhecer o segmento e entre os mais ligados em tecnologia, 40,9% disseram usar o serviço todo dia e 40,6%, ao menos uma vez por semana.

O número é próximo ao divulgado pela Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 (PBM 2015), da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), realizada pelo Instituto Ibope. Segundo o PBM 2015, 80% das 18.312 pessoas pesquisadas em 848 municípios em todo o Brasil, preferem ouvir rádio, sendo que 30% ouvem rádio diariamente.

Quanto aos locais e momentos em que ouvem música, a casa é disparado o local preferido: 78,8% das menções (sendo que 45,5% curtem um som enquanto estão na faxina de sua residência). Na sequência, os locais/situações onde a música está mais presente são: trabalho (33,7%), trânsito (33,6%), academia (28,8%), estudo (21,4%) e festa (13,7%).

Analistas que avaliaram os resultados do estudo afirmaram que a pirataria está mais ligada à questão econômica, de consumidores que desejam acesso ao conteúdo por um preço menor, e, por isso, o streaming não deixa de ser uma forma de tirar ouvintes dessa prática ilegal. As empresas de streaming citadas compõem o Comitê de Desenvolvimento da Música Digital no Brasil.

Tudo Rádio, com informações do Meio & Mensagem

Abert custeia aplicativos para rádios associadas

A Abert abriu as inscrições para o Mobilize-se, projeto inédito de inclusão digital das rádios brasileiras. O principal objetivo da iniciativa é promover o acesso ao rádio pelo telefone celular.

O projeto Mobilize-se, que deve ser lançado oficialmente em março, terá duas fases. Na primeira, a emissora que se cadastrar no site http://www.mobilize-se.net.br, será incluída no Integrador Abert, um aplicativo especialmente desenvolvido para telefones celulares (iOS e Android), mas também acessado em computadores convencionais. As emissoras de rádio associadas já podem se cadastrar.

No app, o ouvinte vai encontrar e ouvir a programação predileta de qualquer parte do país ou do mundo, além de buscar as rádios por gênero, cidade, estado ou região.

O diferencial do aplicativo da Abert em relação aos concorrentes do mercado – especialmente o Tunein, também app do gênero – é que ele direciona o ouvinte não só para programação da rádio, mas também para o download do aplicativo da emissora.

Ao se cadastrar, a rádio deve informar os links de acesso do seu aplicativo. Assim, o ouvinte não só encontrará a emissora por meio da ferramenta de busca, como também poderá ouvi-la pelo aplicativo da Abert. Outra vantagem é que a rádio terá mais um canal de divulgação, e uma oportunidade de ser encontrada e acessada por ouvintes de outras regiões.

APLICATIVO DE GRAÇA – E se a emissora de rádio não tiver o seu próprio aplicativo?

A Abert vai custear o desenvolvimento de aplicativos personalizados e exclusivos para as primeiras 500 emissoras associadas que se cadastrarem no Mobilize-se.

Esta é a segunda fase do projeto, explica o presidente da Abert, Daniel Slaviero. “O projeto Mobilize-se representa uma revolução na inclusão digital das rádios brasileiras, em especial as pequenas emissoras que não têm acesso aos aplicativos para Android e iOS”, declara.

O desenvolvimento do aplicativo personalizado para as rádios associadas é totalmente gratuito. Os seis primeiros meses de manutenção também serão custeados pela Abert. Depois disso, a manutenção será de um salário mínimo por ano, mas poderá ser gratuita se a rádio divulgar o projeto em parceria com as associações estaduais.

“A iniciativa é uma oportunidade de a rádio não ficar para trás na era das conexões. Os aplicativos estão cada vez mais populares e passaram a ter papel importante na vida dos usuários”, declara Slaviero.

Abert

Morre Gilvandro Costa, a ‘voz do Vivaldão’

Gil-filho-Icaro_ACRIMA20150128_0046_24

Gilvandro e seu filho Ícaro

“A administração do estádio Vivaldo Lima informa…”, dizia a voz que ecoava pelos auto-falantes do saudoso Vivaldão, antigo palco do futebol amazonense. O timbre marcante e a entonação cuidadosamente trabalhada era as marcas registradas de Gilvandro Ferreira Costa, responsável pelos anúncios do estádio em dias de jogos durante 20 anos.

Acometido por um câncer identificado em outubro de 2014, a “voz do Vivaldão” se calou para sempre na madrugada desta quarta-feira (28). Deixou dois filhos – Ítalo, de 13, e Ícaro, de nove anos, oriundos do relacionamento de 16 anos com a ex-esposa Yonara, que se dedicou a cuidar de Gilvandro em seus últimos dias de vida.

“Sempre foi um excelente marido e um pai muito presente na vida dos filhos”, falou Yonara, que também falou sobre a paixão de Gilvandro pelo esporte – como funcionário da Vila Olímpica de Manaus, ele também era responsável pelo sistema de som do parque esportivo. “A Vila Olímpica e o Vivaldão eram a vida dele”, declarou.

Responsável por ter convidado Gilvandro para comandar os microfones do antigo Vivaldão e da Vila Olímpica, o então gestor da entidade, Ariovaldo Malízia afirma que o amigo prestou um grande serviço ao esporte amazonense e é uma perda irreparável, ressaltando também o nível de dedicação e profissionalismo demonstrado por Gilvandro.

“Ele estava sempre antenado, sabia o resultado de todos os jogos que interessavam à torcida presente no estádio. Além do mais, tinha um tom de voz belíssimo, que parecia ter sido talhado para estádios de futebol. Eu já fui em estádio do Brasil inteiro e nunca vi uma voz igual a dele”, falou Malízia.

O secretário estadual de esporte, juventude e lazer (Sejel), Ricardo Marrocos, também se compadeceu com a notícia do falecimento do companheiro de mais de 20 anos de trabalho. “Estou lá (na Vila Olímpica) há 20 anos e quando cheguei ele já estava. E realmente viveu ali dentro. Foi um grande amigo nosso”, declarou.

Trabalhou até o fim

Apaixonado pelo trabalho, Gilvandro Costa, que tinha 56 anos de idade, dedicou uma vida inteira ao esporte, por vezes, infezlimente, em detrimento da própria saúde. “Bom ou doente ele ia trabalhar todos os dias”, contou a ex-esposa Yonara, num depoimento repetido por quem o conheceu de perto.

Ariovaldo Malízia, que era presidente da Fundação Vila Olímpica de Manaus no período em todo o período em que Gilvandro trabalhou na instituição, contou já havia notado que o amigo não estava em perfeita condição de saúde, embora ele, encantado com a continuidade do trabalho de locutor do estádio, não admitisse isso.

“Ele chegou a trabalhar no jogo do Corinthians (em outubro contra o Botafogo, na Arena da Amazônia), passou mal aos 45 do primeiro tempo, e saiu. Foi pro hospital e praticamente não saiu mais”, lamentou Malízia, que já havia até convocado um substituo imediato para Gilvandro no estádio. “Já estava prevendo alguma coisa, não imagina o que era”.

A Crítica

Sammy Hagar terá programa de rádio

sammy

O lendário vocalista Sammy Hagar (CHICKENFOOT, VAN HALEN), está se juntando ao Envisage Radio Group (ERG), que produz os populares programas de rádio “Rock All Night” e “Nuglife Radio”.

O novo programa de Hagar, “Sammy Hagar’s Top Rock Countdown”, vai começar no segundo quarto de 2015, e teremos uma contagem semanal onde Sammy vai mostrar diversas listas de suas músicas favoritas: melhores músicas de festa, melhores álbuns de retorno, melhores músicas de um ano específico ou década.

Sammy disse: “Após mais de 40 anos no rock and roll, eu tenho conhecimento, amor e sempre muito o que dizer. Isso vai ser muito divertido.”

Russ Mottla, vice presidente da ERG, disse: “Estamos animados de dar boas vindas ao lendário Sammy Hagar à gangue Envisage. Seu comprometimento ao entretenimento é ímpar, divertido e vai se encaixar perfeitamente com nossa programação.”

http://whiplash.net/materias/news_807/217552-sammyhagar.html#ixzz3Q8jmKRRR

Lei que regula TVs e rádios causa polêmica no Uruguai

Uma nova lei que regula o mercado de comunicação, aprovada no final de dezembro pelo Congresso uruguaio, tem sido motivo de polêmica no país. Lançada pelo Poder Executivo, a Ley de Servicios de Comunicación Audiovisual (LSCA) vai regulamentar os mercados tanto de TV aberta como a cabo.

Trata-se de uma mudança de tom do presidente José “Pepe” Mujica, que se posicionava contra a criação de legislação que controlasse a mídia. “A melhor lei de meios é a que não existe”, repetia o mandatário uruguaio. Em 2014, no entanto, o discurso do presidente mudou: “A pior ameaça é que venha alguém de fora e tome conta. Não quero que Clarín (Argentina), Globo (Brasil) ou (Carlos) Slim (empresário mexicano) se façam donos das comunicações do Uruguai”, declarou.

A lei será regulamentada em março, quando assume o novo presidente, Tabaré Vázquez, também da Frente Ampla e favorável à medida. Seu texto declara que serviços de comunicação são de “interesse público” e fixa limites para a autorização de licenças para prestação de serviços de TV paga.

Serão permitidas, a partir de agora, só seis por pessoa física ou jurídica, número reduzido a três se uma das licenças for para operar em Montevidéu. A norma obrigará algumas empresas a abrir mão de licenças. Fica estabelecido na nova legislação também que 60% da programação dos canais deverá ser de produção ou coprodução nacional.

As rádios terão de dedicar 30% de sua grade à música nacional. A participação estrangeira também será limitada. Será criado ainda um conselho regulador, com poder de punir meios que não cumpram as regras ou mesmo retirar concessões.A lei aprovada, porém, não trata de meios digitais ou impressos.

Para Claudio Paolilo, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), a aplicação da lei pode representar uma ameaça à liberdade de expressão. “Além disso, ela é obsoleta num mundo em que governos caem via Twitter e cada vez menos se precisa de uma concessão”, declarou.Paolilo dirige o semanário conservador “Búsqueda”, um dos mais lidos do país.

O diretor do jornal “El País” de Montevidéu, Martín Aguirre, disse à Folha que considera a lei “antiquada” e que ela pode criar precedentes para o controle da mídia no país. “Não gosto desse espírito hiper-regulador que setores mais esquerdistas da Frente Ampla defendem. A lei como um todo não é ruim, mas há pontos que preocupam. A criação da comissão reguladora é um deles. É sempre complicado convocar representantes populares que não foram eleitos pelas urnas”, afirmou Aguirre.

Para o senador socialista Daniel Martínez, aliado do governo, a lei é “dever do sistema republicano”. Já o ex-presidente Julio María Sanguinetti fez ataques mais duros. Para ele, é “inconstitucional” e representa “um revólver carregado na nuca do jornalismo independente”.

Mujica defende a decisão: “Parece que qualquer coisa para regular é um pecado mortal. Penso exatamente o contrário. Sem regulação, os tubarões de fora vão nos engolir. As famílias [proprietárias] não são eternas, e eu sei o que fazem os herdeiros. É preciso ter liberdade de imprensa. O que não pode haver é monopólio”.

Tudo Rádio
Com informações da Folha de S.Paulo

Sistema Sul Fluminense vende duas rádios no interior do Rio de Janeiro

Duas rádios que integravam o Sistema Sul Fluminense de Comunicação foram vendidas a outro grupo nesta semana. A Sul Fluminense FM 96.1 e a Sul Fluminense AM 1390 de Barra Mansa foram negociadas com um grupo de empresários. A venda foi realizada nesta quarta-feira.

De acordo com o blog Radialistas do Sul Fluminense, o grupo que passará a controlar as duas emissoras será encabeçado pelo radialista Dário de Paula (que será o diretor das emissoras) e pelo Ex-prefeito de Volta Redonda e empresário Gottardo Lopes Neto. A transição já deve começar na segunda metade do mês de janeiro.

Esta não é a primeira operação realizada pelo Sistema Sul Fluminense. Em 2003, o empresário Feres Nader, responsável pelas empresas, vendeu a TV Sul Fluminense, de Barra Mansa, ao grupo Bandeirantes e, em 2012, a Rádio Califórnia à Cúria Diocesana de Volta Redonda. A rádio, localizada no distrito da Califórnia, em Barra do Piraí, mudou o nome para Sintonia do Vale FM 99.3.

Recentemente, o grupo também foi alvo de uma movimentação por parte dos funcionários das emissoras. Em novembro, funcionários das rádios que integram o Sistema Sul Fluminense de Comunicação entraram em greve devido ao atraso no pagamento dos salários. Com a decisão, as rádios Sul Fluminense FM 96.1 AM 1390, Sociedade FM 104.1 e Rádio Cidade do Aço FM 103.3, todas de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro, ficaram fora do ar durante o período. Os manifestantes voltaram ao trabalho logo após a direção do grupo confirmar o pagamento dos salários.

Com a venda das emissoras, apenas as rádios Sociedade FM 104.1 e Cidade do Aço FM 103.3, ambas de Barra Mansa, continuarão integrando o Sistema Sul Fluminense de Comunicação.

Tudo Rádio

A voz dos brasileiros na América

Desde 2005, a rádio 650 AM com sede em Framingham, Massachusetts – que pode ser ouvida em Boston e região e também pela internet – é a grande referência da comunidade brasileira que vive no local. Em 2015, a rádio comemora 10 anos com expansão do sinal, mudança no nome e aquisição de outras duas rádios em português que irão dar origem à Rede 650 AM. Tudo isso já a partir de janeiro.

A diretora-geral da rádio, Ilma Paixão, em visita à redação do AcheiUSA, disse que a rádio é muito querida pelos brasileiros que residem na região de Boston, comunidade que chega a 300 mil pessoas. “Nossa rádio é de variedades, música e muita informação para a comunidade brasileira. Temos programação ao vivo das 5am às 10pm e os ouvintes podem participar o tempo todo”, explicou a diretora que é mineira e vive nos Estados Unidos há mais de 30 anos.

A história da rádio começou em 2005 com uma programação exclusivamente religiosa e mudou de formato em 2010 passando a incluir em sua programação música, notícias, utilidade pública, religião e muito mais. A 650 AM cobre todo o estado do Massachusetts e toda grande Boston, seu alcance inicial era de 250 e hoje é de 1500 kilowatts. “Quando entrei na rádio, a programação era exclusivamente religiosa e, a partir de uma pesquisa, percebemos que a os ouvintes queriam também notícias e variedades”, explica Ilma.

“A Rádio 650 AM é a única rádio brasileira com programação em português praticamente 24 horas por dia, já que temos como propósito não apenas manter e incentivar a informação, cultura e entretenimento dos brasileiros, como também dos imigrantes que um dia ajudaram a criar os Estados Unidos”, completa.

A rádio conta com 60 funcionários, entre colaboradores e locutores. Os ouvintes também têm seu espaço. Eles enviam perguntas, dão opinião e tiram dúvidas, como de imigração, por exemplo. Um carro chamado “Green Car” percorre a região, realizando promoções e distribuindo prêmios.

“A comunidade brasileira merece ter esse canal de comunicação. É um espaço especialmente trabalhado para esse público. Rádio é prestação de serviço e estamos comemorando dez anos com essa expansão para oferecer ainda melhores serviços para o público brasileiro”, disse.

Para acessar a Rádio 650AM ao vivo acesse o site http://wsro.com.

AcheiUSA

Soluções e Conteúdos em Áudios